PLANTAS TÓXICAS
Em algum grau, toda planta apresenta alguma toxicidade, mas a denominação plantas tóxicas se aplica àquelas cuja ingestão ou contato provoca sintomas de intoxicação. A intoxicação consiste em uma série de efeitos sintomáticos produzidos quando uma substância tóxica é ingerida ou entra em contato com a pele, olhos ou mucosas . Pela diversidade dessas plantas que vivem ao nosso redor, como plantas ornamentais nas residências, nos jardins e parques, cultivadas ou na sua forma silvestre. Deste modo, fica evidente o risco de intoxicação tanto para o homem como para os animais.
A importância do grupo das plantas tóxicas, não está somente nos riscos que possam causar, mas também dos benefícios que podem proporcionar , já que os princípios ativos são o que determina a ação de ambos os tipos, e há plantas medicinais que são tóxicas se ingeridas em excesso


LED Scroller Generator

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico. Consulte sempre um profissional da saúde nos locais aqui divulgados

TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Pesquisar este blog

VOCABULÁRIOS DE TERMOS TÉCNICOS

VOCABULÁRIOS DE TERMOS TÉCNICOS
Clique para consultar

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

ASSACU - Hura crepitans L. - Planta Venenosa - 47


ASSACU
FAMÍLIA: Euphorbiaceae
NOME CIENTÍFICO: Hura crepitans L.
NOME POPULAR: assacu, açacu, uassacu. No exterior: Arenillero, Catauá, Possum wood, Rakuda, Sablier, Sand Box
PARTES TÓXICAS: látex
PRINCÍPIO ATIVO: toxialbuminas (hurina e creptina)
SINTOMATOLOGIA
O contato do látex com a pele causa irritação, formando bolhas; em contato
com os olhos, causa conjuntivite e dor; no sistema digestivo, provoca náuseas e
vômito, bem como queimação na boca e na faringe.
TRATAMENTO
*Lesões de pele: cuidados higiênicos, lavagem com permanganato de potássio 1:10.000, pomadas de corticóides, anti-histamínicos VO
*Ingestão: Evitar esvaziamento gástrico.Analgésicos e antiespasmódicos. Protetores de mucosa (leite, óleo de oliva).
*Casos graves: corticóides.Contato ocular: lavagem com água corrente, colírios antissépticos, avaliação oftalmológica.
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
Árvore com espinhos, que usualmente cresce de 25 a 30 m em altura (podendo atingir até 40 m) por 0,80 a 1,80 m de diâmetro. Em condições muito favoráveis alcança 66 m de altura por 2,10 m de diâmetro, acima das sapopemas. Possui látex muitíssimo irritante para as mucosas e até para a pele, nos olhos provoca grave oftalmia, acompanhado de ardor pronunciado.
Temido pelos cortadores de árvores, que preferem "sangrá-la" (esvaziá-a de resina, fazendo vários cortes na sua base) antes de abatê-la. Pelo teor de fibras, que chegam a 67% do volume de lenho, pode ser usado para produção de polpa de celulose. É árvore de crescimento rápido, e originária das áreas inundáveis da região amazônica
ORIGEM:América Central à Amazônia
Fontes:
DÉBORA GIKOVATE BARG
Remade.com.br
Wikipédia
Formatação e pesquisa:HRubiales

Nenhum comentário:

Postar um comentário