PLANTAS TÓXICAS
Em algum grau, toda planta apresenta alguma toxicidade, mas a denominação plantas tóxicas se aplica àquelas cuja ingestão ou contato provoca sintomas de intoxicação. A intoxicação consiste em uma série de efeitos sintomáticos produzidos quando uma substância tóxica é ingerida ou entra em contato com a pele, olhos ou mucosas . Pela diversidade dessas plantas que vivem ao nosso redor, como plantas ornamentais nas residências, nos jardins e parques, cultivadas ou na sua forma silvestre. Deste modo, fica evidente o risco de intoxicação tanto para o homem como para os animais.
A importância do grupo das plantas tóxicas, não está somente nos riscos que possam causar, mas também dos benefícios que podem proporcionar , já que os princípios ativos são o que determina a ação de ambos os tipos, e há plantas medicinais que são tóxicas se ingeridas em excesso


LED Scroller Generator

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico. Consulte sempre um profissional da saúde nos locais aqui divulgados

TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Pesquisar este blog

VOCABULÁRIOS DE TERMOS TÉCNICOS

VOCABULÁRIOS DE TERMOS TÉCNICOS
Clique para consultar

segunda-feira, 6 de julho de 2009

ERVA-DE-RATO -Palicourea marcgravii A.St.Hill





ERVA-DE-RATO
FAMILIA: Rubiaceae
NOME CIENTÍFICO: Palicourea marcgravii A. St. Hil.
NOMES POPULARES: erva-de-rato, café-bravo, cotó-cotó, tangará-açu
PARTES DA PLANTA: Folhas e frutos
PRINCÍPIO ATIVO: ácido monofluoracético
SINTOMATOLOGIA
A intoxicação, apesar de muito descrita em animais, é rara em seres humanos.
A intoxicação é caracterizada por sinais neurotóxicos como depressão, descoordenação motora, crises convulsivas e morte. Os sinais neurotóxicos, segundo Eckschmidt et al (1989), são conseqüências da ação do fluoricitrato, metabólito dos fluoracetatos.
Os sintomas apresentados em seres humanos foram: sialorréia, cefaléia, vômitos, tosse, dispnéia, sibilos, diplopia muscular, confusão mental e agitação. Estes sintomas estão de acordo com os descritos na literatura para intoxicações humanas. Ellenhorn & Barceloux (1988) e Schvartsman (1979) descrevem sintomas gastrintestinais como náuseas, vômitos e dores abdominais após um período latente de 30 a 150 minutos depois da ingestão. Subseqüentemente observa-se ansiedade, agitação, espasmo muscular, crises convulsivas e coma. Taquicardia e hipotensão são sinais cardiovasculares comuns.
TRATAMENTO
O tratamento em seres humanos está limitado à aplicação de carvão ativado. Na literatura o tratamento também está limitadamente relatado, sendo recomendadas medidas de emergência para o controle das alterações cardíacas. Em tempo ágil devem ser feitas lavagem gástrica e aplicação de demulcentes
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
Arbusto com. 2 m. de altura, ramos secundários cilíndricos, os terminais compridos, angulosos, delgados, de cor vermelha escura ao secar, glabros ou levemente pubescentes na parte superior, estípulas agudas, triangulares, soldadas na base. Folhas curto-pecioladas, pubescentes quando novas, opostas, oblongas, longamente acuminadas na parte superior. Inflorescências em panícula, com flores tubulosas amareladas na base e azul-arroxeadas na parte superior. Frutos bagas biloculares de início avermelhados e depois arroxeados.
ORIGEM: Brasil

Um comentário:

  1. obrigado pela visita. deixe sugestoes para as proximas postagens.
    bjsss

    ResponderExcluir