PLANTAS TÓXICAS


Em algum grau, toda planta apresenta alguma toxicidade, mas a denominação plantas tóxicas se aplica àquelas cuja ingestão ou contato provoca sintomas de intoxicação. A intoxicação consiste em uma série de efeitos sintomáticos produzidos quando uma substância tóxica é ingerida ou entra em contato com a pele, olhos ou mucosas . Pela diversidade dessas plantas que vivem ao nosso redor, como plantas ornamentais nas residências, nos jardins e parques, cultivadas ou na sua forma silvestre. Deste modo, fica evidente o risco de intoxicação tanto para o homem como para os animais. A importância do grupo das plantas tóxicas, não está somente nos riscos que possam causar, mas também dos benefícios que podem proporcionar , já que os princípios ativos são o que determina a ação de ambos os tipos, e há plantas medicinais que são tóxicas se ingeridas em excesso

ATENCÃO

AVISO IMPORTANTE

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico. Consulte sempre um profissional da saúde nos locais aqui divulgados

PREVENÇÃO

1 - Mantenha as plantas venenosas fora do alcance das crianças e animais de estimação.

2 - Conheça as plantas venenosas existentes em sua casa e arredores pelo nome e características.

3 - Ensine as crianças a não colocar plantas na boca e não utilizá-las como brinquedos (fazer comidinhas, tirar leite, etc.).

4 - Não prepare remédios ou chás caseiros com plantas sem orientação médica.

5 - Não coma folhas, frutos e raízes desconhecidas. Lembre-se de que não há regras ou testes seguros para distinguir as plantas comestíveis das venenosas. Nem sempre o cozimento elimina a toxicidade da planta.

6 - Tome cuidado ao podar as plantas que liberam látex provocando irritação na pele e principalmente nos olhos; evite deixar os galhos em qualquer local onde possam vir a ser manuseados por crianças; quando estiver lidando com plantas venenosas use luvas e lave bem as mãos após esta atividade.

7 - Em caso de acidente, procure imediatamente orientação médica e guarde a planta para identificação.

8 - Em caso de dúvida ligue para o Centro de Intoxicação de sua região

TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Pesquisar este blog

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

LOURO AMERICANO - Kalmia latifólia - Planta venenosa - 64









FAMILIA: Ericaceae
NOME CIENTIFICO: Kalmia latifólia
SINONÍMIA
Kalmia latiofolia augustata, K. latifolia fuscata, K. latifolia myrtifolia e K. latifolia polypetala
NOME POPULAR
Louro-americano, louro-da-serra, louro-da-montanha, pau-de-colher
PARTE TOXICA:Toda a planta
PRINCIPIO ATIVO: andromedotoxina e arbutina
SINTOMATOLOGIA
Contém andromedotoxina (substância tóxica encontrada em rododendrons e outras espécies da Ericaceae) e arbutina (inibidor da tirosinase, evitando a formação de melanina). Os sintomas de toxicidade começam a aparecer cerca de 6 horas após a ingestão. O envenenamento produz anorexia, salivação profusa, depressão, falta de coordenação, vômitos, diarréia, dificuldade para respirar, fraqueza, distúrbios cardíacos, convulsões, coma e morte.
TRATAMENTO
Pronto atendimento, lavagem gástrica e procedimentos para neutralizar os componentes..
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
O louro-americano é um arbusto da famílias das azaléias e rododendros. Ele é perenifólio, isto é, não perde as folhas no outono-inverno. Seu caule é lenhoso, bastante ramificado, e seu porte é pequeno, alcançando de 2 a 4 metros de altura. As folhas são verde-escuras, elípticas, alternas, brilhantes e com a nervura central saliente. As inflorescências surgem na primavera e verão e são do tipo corimbo, com numerosas flores brancas ou róseas, com formato de estrela e longos estames. Os frutos são cápsulas marrons e deiscentes.
ORIGEM: Estados Unidos
Fonte:
Jardineiro.net
floresnaweb.com
Fotos:Tanaka Juuyoh
Formatação e pesquisa:HRubiales

Nenhum comentário:

Postar um comentário