PLANTAS TÓXICAS


Em algum grau, toda planta apresenta alguma toxicidade, mas a denominação plantas tóxicas se aplica àquelas cuja ingestão ou contato provoca sintomas de intoxicação. A intoxicação consiste em uma série de efeitos sintomáticos produzidos quando uma substância tóxica é ingerida ou entra em contato com a pele, olhos ou mucosas . Pela diversidade dessas plantas que vivem ao nosso redor, como plantas ornamentais nas residências, nos jardins e parques, cultivadas ou na sua forma silvestre. Deste modo, fica evidente o risco de intoxicação tanto para o homem como para os animais. A importância do grupo das plantas tóxicas, não está somente nos riscos que possam causar, mas também dos benefícios que podem proporcionar , já que os princípios ativos são o que determina a ação de ambos os tipos, e há plantas medicinais que são tóxicas se ingeridas em excesso

ATENCÃO

AVISO IMPORTANTE

As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento e muito menos de diagnóstico. Consulte sempre um profissional da saúde nos locais aqui divulgados

PREVENÇÃO

1 - Mantenha as plantas venenosas fora do alcance das crianças e animais de estimação.

2 - Conheça as plantas venenosas existentes em sua casa e arredores pelo nome e características.

3 - Ensine as crianças a não colocar plantas na boca e não utilizá-las como brinquedos (fazer comidinhas, tirar leite, etc.).

4 - Não prepare remédios ou chás caseiros com plantas sem orientação médica.

5 - Não coma folhas, frutos e raízes desconhecidas. Lembre-se de que não há regras ou testes seguros para distinguir as plantas comestíveis das venenosas. Nem sempre o cozimento elimina a toxicidade da planta.

6 - Tome cuidado ao podar as plantas que liberam látex provocando irritação na pele e principalmente nos olhos; evite deixar os galhos em qualquer local onde possam vir a ser manuseados por crianças; quando estiver lidando com plantas venenosas use luvas e lave bem as mãos após esta atividade.

7 - Em caso de acidente, procure imediatamente orientação médica e guarde a planta para identificação.

8 - Em caso de dúvida ligue para o Centro de Intoxicação de sua região

TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

Pesquisar este blog

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

CAPIM MASSAMBARÁ - Sorghum alepense (L.)Pers- Planta Venenosa - 50



CAPIM MASSAMBARÁ
FAMÍLIA: Poaceae
NOME CIENTÍFICO: Sorghum halepense (L.) Pers
SINONÍMIA BOTÂNCICA:: Sorghum vulgare
NOMES POPULARES
Sorgo, capim Massambará, pasto russo, erva-de-são-joão
PARTES TÓXICAS: folhas e brotos
PRINCÍPIO ATIVO: glicosídeo cianogênico
SINTOMATOLOGÍA
Essa substância se ingerida pode causar anóxia celular (cianose), pela liberação de ácido cianidrico.. Distúrbios gastrointestinais: náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia, convulsões, dor abdominal, flacidez muscular, letargia, vômitos e coma.
TRATAMENTO
Pronto atendimento, lavagem gástrica e procedimentos para neutralizar o ácido cianídrico
DESCRIÇÃO BOTÂNICA
O gênero Sorghum apresenta duas espécies preocupantes em relação à cultura da cana-de-açúcar: S. arundinaceum e S. halepense. No Brasil a distribuição ainda está restrita em algumas regiões, mas nos países onde mais ocorrem causam grandes prejuízos. Com o avanço da cana-de-açúcar para outras regiões, a cultura tem se deparado com infestações onde estas espécies predominam. O capim-falso-massambará é uma planta anual, herbácea, cespitosa, ereta com inflorescências grandes do tipo panícula aberta do tipo pendente com 40 a 60 cm de comprimento e coloração marrom-avermelhada quando maduras (LORENZI, 1991). O capim-massambará é muito similar, mas é uma planta perene e entouceirada que apresenta inflorescência menor (15 a 30 cm). Além disso, apresenta rizomas subterrâneos que auxiliam no seu alastramento (LORENZI, 1991)
Débora Gikovate Barg

Um comentário:

  1. Com que produto eu faço o controle do massanbara na cultura da cana-de-açúcar

    ResponderExcluir